MENU

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Dois Segundos

with 0 comentários
DOIS SEGUNDOS

No primeiro, eterno segundo, acendo a luz e vôo.
Rodopio como um desvairado dervixe, em coreografias cintilantes clareando o etéreo ar noturno, lá vou desbravando e desvirginando a amante terra, resplandeço a liquida esmeralda das águas, embrenho-me nas matas arremeto as montanhas.
No segundo, eterno segundo fico cego.
Minha coreografia não passa de um mergulho rodopiaste como nave abatida. Não posso dançar a dança do acasalamento, a única certeza é de que Deus segura a minha mão.
Minha professora Leda Araújo, pelos tempos idos do primeiro grau, certa vez dentro da sala de aula fez uma analogia do que seria o tempo decorrido de um segundo na eternidade: um rochedo cúbico de sete léguas de aresta, um passarinho de sete em sete anos vem limpar o seu bico, quando o rochedo ficar totalmente gasto se terá passado um segundo da eternidade.
As antigas sociedades secretas egípcias já estudavam a dualidade do ser humano e do universo.
Portanto pirilampo não te desespere, pois para existir o côncavo tem que existir o convexo, para o lado de dentro o lado de fora, para a escuridão a luz, para o ódio o amor.
Só não te esqueces de quando estiver na luz continuar segurando a mão de Deus।

Ronald Martorano Bathke

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!