MENU

sexta-feira, 11 de março de 2011

O quadro sujo do museu

with 0 comentários
O quadro sujo do museu
Isso já faz um bom tempo, prestei atenção em uma mulher que percorria o corredor do museu.

Num quadro em especial, essa mulher parou, e ficou parada em inércia durante muito tempo, muito tempo mesmo, talvez na tentativa de resolver algo, ou não.

Ela olhava para aquele ponto fixo, como se estivesse num estado de transe.

Fiquei curioso, e não me contive. Como me considero hábil em fazer perguntas com suavizadores, pois acredito que é com as perguntas que se pode ir descobrindo o que está faltando numa informação incompleta, talvez eu pudesse de forma indireta ou direta lhe ajudar, ou não. O que importava é que a minha intenção naquele momento era positiva, queria resolver o mistério da sua inércia temporária.

Eu estou me perguntando senhorita, o que poderia me dizer sobre o que está focando agora?

Ela respondeu: Estou vendo uma sujeira ali, e me mostrou com o seu dedo no ar onde focava.

E lhe fiz uma nova pergunta: Senhorita, esse pequenino ponto sujo neste quadro grande é tão importante para você a tal ponto, de que todo o resto que poderíamos considerar talvez belo, prazeroso, alegre do que você viu, ou ouviu ou sentiu até então, ter perdido a importância? Não sei se você poderia novamente ampliar o seu foco agora?

A mulher num instante mudou sua fisiologia, sua respiração ficou diferente, sua face ficou mais relaxada, assim como os seus ombros e começou a se movimentar novamente no seu ritmo natural.

Não sei o que se passou no seu diálogo interno, nem o que sentiu especificamente após, só sei que seu foco não era mais o mesmo, algo tinha mudado na estrutura ou na seqüência do que ela estava focando anteriormente, e isso me remeteu a um estado emocional desejado enquanto continuava comigo no meu diálogo interno.

Arcélio Alberto Preissler

Comente: O quadro sujo do museu

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!