QUANDO OS FILHOS CRESCEM...

QUANDO OS FILHOS CRESCEM...


Há um momento na vida dos pais em que eles se sentem órfãos. Os filhos, dizem eles, crescem de um momento para outro.
É paradoxal. Quando nascem, pequenos e frágeis, os primeiros meses parecem intermináveis. Pai e mãe se revezam à cata de respostas aos seus estímulos nos rostinhos miúdos.
Desejam que eles sorriam, que agitem os bracinhos, que sentem, fiquem em pé, andem, tudo é uma ansiosa expectativa.
Então, um dia, de repente, ei-los adolescentes. Não mais os passeios com os pais, nos finais de semana, nem férias compartilhadas em família.
Agora tudo é feito com os amigos.
Olham para o rosto do menino e surpreendem os primeiros fios de barba, como a mãe passarinho descobre a penugem nas asas dos filhotes. A menina se transforma em mulher. É o momento dos voos para além do ninho doméstico.
É o momento em que os pais se perguntam: Onde estão aqueles bebês com cheirinho de leite e fralda molhada? Onde estão os brinquedos do faz-de-conta, os chás de nada, os heróis invencíveis que tudo conseguiam em suas batalhas imaginárias contra o mal?
As viagens para a praia e o campo já não são tão sonoras. A cantoria infantil e os eternos pedidos de sorvetes, doces, pipoca foram substituídos pelo mutismo ou a conversa animada com os amigos com que compartilham sua alegria.
Os pais se sentem órfãos de filhos. Seus pequenos cresceram sem que eles possam precisar quando. Ontem, eram crianças trazendo a bola para ser consertada. Hoje, são os que lhes ensinam como operar o computador e melhor explorar os programas que se encontram à disposição.
A impressão é que dormiram crianças e despertaram adolescentes, como num passe de mágica.
Ontem, estavam no banco de trás do automóvel; hoje, estão ao volante, dando aulas de correta condução no trânsito.
É o momento da saudade dos dias que se foram, tão rápidos. É o momento em que sentimos que poderíamos ter deixado de lado afazeres sempre contínuos e brincado mais com eles, rolando na grama, jogando futebol.
Deveríamos tê-los ouvido mais, deliciando-nos com o relato de suas conquistas e aventuras, suas primeiras decepções, seus medos. Tê-los levado mais ao cinema, desfrutando das suas vibrações ante o heroísmo dos galãs da tela.
Tempos que não retornam, a não ser na figura dos netos, que nos compete esperar.
Pais, estejamos mais com nossos filhos. A existência é breve e as oportunidades preciosas.
Tudo o mais que tenhamos e que nos preencha o tempo não compensará as horas dedicadas aos Espíritos que se amoldaram nos corpos dos nossos pequenos, para estar conosco.
Não economizemos abraços, carícias, atenções, porque nosso procedimento para com eles lhes determinará a felicidade do crescimento proveitoso ou a tristeza dos dias inúteis do futuro...


Recebi sem indicação da AUTORIA.

5 comentários:

tito disse...

Muito bom, demais.
tito from brasília.

Angel disse...

Acho muito bom quando passamos por todas essas etapas, é melhor do que vê-las interrompida pelos reversos da vida. O que também nos faz crescer/evoluir espiritualmente

Anônimo disse...

E se já fizemos tudo isso? Há o que chorar?

Anônimo disse...

E é realmente verdade, tenho uma já adolescente e uma atraz de um volante de carro, e parece que tuto começou ontem.Precisamos mesmo dar mais atenção tudo passa muito rápido.

Anônimo disse...

o tempo passa muito rápido, como diz kalil gibran: os filhos não são nossos filhos, são filhos da ansia da vida por sí mesma.....
Como eu deixei meus pais pela minha vida, assim acontecera com a princesa de meus sonhos, alçará o seu proprio voô. Mas quando o ocaso chegar pra mim quero ter a certeza de que aproveitei intensamente a sua maravilhosa, doce e infantil companhia

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

copyright © . all rights reserved. designed by Color and Code

grid layout coding by helpblogger.com