MENU

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

para um mundo melhor

with 0 comentários
Como aguardar a melhoria do mundo, se tão poucos cuidados existem para com o coração infantil?
 
Como ter esperança de tempos melhores para a humanidade, a curto ou médio prazo, perante essa indiferença gritante para com a alma infantil?
 
Como se pode condenar o adolescente de costumes anti-sociais, quando tornou-se quase uma regra o abandono da criança a sua própria sorte?
 
Como pensar num tempo de equilíbrio para a sociedade e de paz para o mundo, quando se negligencia tanto a formação dos pequenos, quando se atiram notícias e imagens de guerras em suas mentes, sem qualquer piedade?
 
Como querer uma infância saudável para a terra, frente às cenas grotescas em que o sexo em desalinho e a pornografia disputam as atenções das crianças, ante o consentimento passivo de pais e de mestres?
 
Como aspirar pela era de harmonia e de fraternidade no planeta, se as lutas violentas, o incentivo às trapaças e a instigação ao uso de armas têm entrada franqueada nos lares e são absorvidos com a avidez da novidade pela mente infantil?
 
A hora que atravessamos no mundo é, verdadeiramente, uma hora de grande densidade.
 
É uma hora em que ouvimos discursos lúcidos com palavras belas que ocultam a convivência com a omissão e a irracionalidade dos que discursam, no que diz respeito às providências educacionais para os pequenos.
 
Essas crianças são espíritos que chegam à terra cheios de confiança nos irmãos que os antecederam na atual existência no orbe terrestre.
 
Esses irmãos deixaram no além promessas e projetos de atendimento e de orientação aos pequeninos, exatamente para suplantar o pretérito de omissões e despautério já vivenciados...
 
Esses são dias de valorização das aparências.
 
Idéias comovedoras, sugestões delicadíssimas, documentos oficiais com ampla visibilidade...
 
Campanhas de mídias muito bem aprumadas, tudo relativo ao atendimento da infância, desses pequenos filhos de Deus que acabam de chegar ao mundo sob os cuidados da sociedade.
 
Tudo isso se perde na correnteza do interesse imediatista de projeção social e da ganância desmedida, que desviam recursos humanos e financeiros, valiosos e variados, da rota da cidadania e dos caminhos da caridade, para favorecimentos inconfessáveis.
 
Unamos esforços, dessa maneira, em redor da infância e da juventude, ardorosamente, por sabermos que ainda há tempo de diminuir as dores futuras da humanidade, através do labor que iniciemos agora ou que ajudarmos em sua manutenção.
 
Cerremos fileiras em torno do ensinamento de Jesus, atendendo a sua proposta de deixar que os pequenos o possam encontrar, até a ele chegar, sem qualquer impedimento de nossa parte, pelos caminhos terrenos.
 
Somente quando a criança for agasalhada pela atenção carinhosa, quando for calçada pelo bem responsável e alimentada pelos pomos do amor pater-mater-fraternal, poderemos, então, sonhar com o mundo melhor que tanto esperamos.
 
Essa mensagem é de alguém que observa os acontecimentos do plano físico, sob a ótica do "hemisfério espiritual".
 
É um espírito interessado na construção de um mundo melhor, e que vem nos trazer essas advertências sérias e ao mesmo tempo um convite para que façamos a parte que nos cabe.
 
Importante ressaltar que nossos atos estão sendo observados do além túmulo.
 
Até mesmo aqueles que não desejamos confessar a nós próprios.
 
Agora podemos entender a afirmativa de Jesus, quando disse que tudo o que está escondido será revelado. Até nossos mais secretos pensamentos.
 
Uma nuvem de testemunhas nos segue os passos e não tem como fugir desses seres invisíveis.
 
Pense nisso!
 
E se você é alguém que assumiu algum compromisso com a infância, terá que prestar contas de sua administração, mais cedo ou mais tarde, às soberanas e invioláveis leis de Deus.
 
Pense nisso, mas pense agora!

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!