MENU

terça-feira, 5 de outubro de 2010

poder e vaidade

with 0 comentários
Fala-se muito das misérias humanas. Fala-se, sobremaneira, da miséria
econômica.

Mas, ao lado das misérias materiais há outras de maior gravidade, que
são as misérias morais.

A vaidade é uma delas. Mistura-se a todas as ações humanas e mancha os
pensamentos mais delicados. Penetra o coração e o cérebro.

Planta má, a vaidade abafa a bondade. Todas as qualidades são
aniquiladas por seu veneno.

Faz com que os homens se esqueçam de Deus, que se constitui em socorro
apenas implorado nos momentos de aflição, e jamais o amigo convidado
ao banquete da alegria.

A vaidade, por si só, se constitui em obstáculo ao progresso moral dos
homens, mas quando está de mãos dadas com o poder, torna-se nefasta.

Nos tempos em que as estradas poeirentas da Galiléia ainda eram
marcadas pelas sandálias humildes do Sublime Galileu, um ensinamento
singular ficou impresso na História, através de um diálogo do Cristo
com um senador romano.

Jesus falou-lhe de humildade mas, aquele homem investido dos poderes e
glórias transitórios, deixou-se arrebatar por uma onda de orgulho e
questionava-se mentalmente:

Humildade? Que credenciais apresentava o profeta para lhe falar assim,
a ele, senador do Império Romano, revestido de todos os poderes?

Lembrou a cidade dos Césares, coberta de triunfos e glórias, cujos
monumentos acreditava, naquele momento, fossem imortais.

Jesus, conhecedor das Leis eternas e imutáveis que regem a vida,
percebendo seus pensamentos, respondeu com serenidade e firmeza:

Todos os poderes do teu império são bem fracos e todas as suas
riquezas bem miseráveis...

As magnificências dos Césares são ilusões efêmeras de um dia, porque
todos os sábios, como todos os guerreiros, são chamados no momento
oportuno aos tribunais da justiça de Meu Pai que está no Céu.

Um dia, deixarão de existir suas águias poderosas sob um punhado de
cinzas misérrimas. Suas ciências se transformarão ao sopro dos
esforços de outros trabalhadores mais dignos do progresso.

Suas leis injustas serão tragadas no abismo tenebroso desses séculos
de impiedade, porque só uma Lei existe e sobreviverá aos escombros da
inquietação do homem: A Lei do amor, instituída por Meu Pai, desde o
princípio da Criação...

Nesses ditos de Jesus, há um singular ensinamento: a transitoriedade
das ostentações humanas construídas sob os impositivos da vaidade.

E Jesus tinha razão. Dois milênios após, pouca coisa restou daquele
império tido como imortal. Restam hoje apenas algumas ruínas que o
tempo se encarregará de extinguir.

Todavia, o tempo não logrará destruir os ensinamentos grandiosos
legados à Humanidade pelos cidadãos romanos que se dedicaram em
construir patrimônios imperecíveis, não sujeitos às leis da matéria.

* * *

Deus, antes de colocar a Humanidade sobre a face da Terra a enfeitou
de belezas naturais, revestiu-a de todos os elementos e recursos
necessários ao nosso bem-estar.

Para iluminar o dia, Ele nos deu o Sol, radiação gloriosa. E para
clarear as noites salpicou-as de estrelas, como se fossem flores de
ouro.

E nós, o que temos para ofertar a Deus, senão o nosso coração?

Mas, longe de enfeitá-lo com alegrias, virtudes e esperanças e
permitir que Deus o penetre, só o fazemos quando o luto, as amarguras
e decepções nos visitam e nos ferem.

Deixemos a vaidade de lado e ofertemos o nosso coração livre de dores.

Ofereçamo-lo a Deus como homens, de pé, e não como escravos, de
joelhos. Lembremo-nos de Deus também nas horas de alegria e
felicidade.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!