MENU

sábado, 18 de dezembro de 2010

E A Tormenta Cessou

with 0 comentários
E A Tormenta Cessou
Em uma passagem do Evangelho, narra-se que os Apóstolos se encontravam em um barco, em plena tempestade.

No meio do mar, a embarcação era açoitada pelas ondas e por fortes ventos.

Em dado momento, Jesus, que estava orando em um monte, dirigiu-se para junto dos Apóstolos, andando sobre as águas.

Os Apóstolos se assustaram muito, até que o Cristo os tranquilizou.

Pedro pediu que Jesus o fizesse ir até Ele, por sobre as águas.

O Mestre assentiu e o chamou.

Pedro começou a andar sobre o mar, mas teve medo e principiou a afundar.

Jesus estendeu a mão e o socorreu, lamentando a pequenez da fé do pescador.

Quando o Messias subiu no barco, o vento acalmou.

Essa passagem evangélica possui extrema beleza e profunda significação.

À parte o inegável poder de Jesus sobre os elementos, pode-se fazer uma leitura focada no poder transformador de Sua mensagem.

No mundo, as criaturas padecem vergastadas pelo vendaval das suas paixões.

Muitas contraem variadas enfermidades pelo descontrole no comer e no beber.

Outras sucumbem aos tóxicos de variadas nomenclaturas.

Há quem perca a dignidade no desregramento sexual.

São incontáveis os vícios e grandes os prejuízos que causam.

Gula, vaidade, egoísmo, crueldade, desonestidade e destemperanças as mais diversas ensejam funestas consequências.

Muitas das criaturas que se infelicitam, realmente gostariam de viver com dignidade e todas desejam ser felizes.

Embora alguns desatinos pareçam sedutores, cedo ou tarde mostram seu lado amargo.

O problema é que muitos se afirmam frágeis em excesso para vencer suas más tendências.

Não é possível ser ingênuo e imaginar que a renovação moral se dê por um passe de mágica.

Maus hábitos cristalizados por longo tempo não somem apenas porque a criatura decidiu mudar.

Entretanto, a renovação é sempre possível e corre por conta da perseverança de quem a deseja.

Nessa luta contra as trevas internas, surge a importância da fé.

Pedro afundou por duvidar, conforme assentou o Cristo.

Então, importa acreditar firmemente que a retificação da própria realidade espiritual é possível.

Talvez hajam algumas quedas, mas a crença no sucesso necessita estar sempre presente.

Essa crença será tão mais efetiva quanto mais se baseie nas propostas do Cristo.

A vivência da fraternidade, da esperança e da pureza constitui o maior antídoto contra as ilusões do mundo.

Quando Jesus realmente adentra o barco da vida de alguém, cessam as tormentas das paixões.

Surge a paz, não como um privilégio, mas como consequência natural de uma vida digna.

Pense nisso.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!