MENU

quinta-feira, 12 de abril de 2012

12 PONTOS
Decore e vivencie estes 12 pontos:

1. Três coisas devemos cultivar: a verdade, o esforço e a perseverança.

2. Três qualidades devemos preservar: o caráter, a nobreza e um cristalino coração de criança.

3. Três colunas devemos manter de pé, a todo custo: a calma, o otimismo e a serenidade.

4. Três flores devemos plantar: o bem, a justiça e a cordialidade.

5. Três tesouros devemos adquirir: bons livros, bons discos e alegria, para não desafinar na orquestra da vida.

6. Três vampiros devemos expulsar de casa: o medo, a cobiça e o rancor, sugadores de energias.

7. Em três fontes inesgotáveis devemos beber: no verde da natureza, no azul do céu e na majestade indômita do mar.

8. Três bandidos - o desânimo, o pessimismo e a covardia.

9. Três legados preciosos devemos defender: a honra, a Pátria e os amigos.

10. Três diamantes devemos burilar: o trabalho, a prece e o silêncio.

11. Três galhos devemos podar: a língua, a indisciplina e a maledicência.

12. Três irmãs gêmeas devemos nutrir: a fé, a esperança e o amor.

Recebi sem indicação da AUTORIA.

12 PONTOS

TODOS DEPENDEM DE TODOS

Basta
que um botão erre de casa
para que o desencontro
seja total.
-o-
NÃO ME DIGAS QUE NÃO SABES

Pescador, afeito às águas
de quantas braças careço
para ver minha linha
descer ao fundo dos corações?
De que depende a fundura do mar
dos peitos humanos?

Do livro MIL RAZÕES PARA VIVER, de D. Hélder Câmara

TODOS DEPENDEM DE TODOS

AMAR

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia, o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o cru,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave
de rapina.
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.

Carlos Drumond de Andrade

AMAR

voar sobre o pântano
Um pássaro vivia resignado em uma árvore apodrecida no meio de um pântano.
Havia já se acostumado a estar ali, comia insetos do lodo e se encontrava sempre sujo por causa do barro pestilento.
Suas asas estavam atrofiadas por causa do peso das imundicies. Certo dia, porém, um grande vendaval destruiu sua guarida; a árvore apodrecida foi tragada pela lama e então, ele se deu conta de que iria morrer.
Com o desejo instintivo de salvar-se, começou, com força, a bater as asas para empreender o vôo.
Custou-lhe muito trabalho, pois, esquecera como era voar, porém, agüentou a dor do corpo até que conseguiu levantar-se e cruzar o espaçoso céu, chegando finalmente a um bosque fértil e maravilhoso.'
Os problemas são como um vendaval que destrói o seu refúgio e obriga você a levantar o vôo ou a morrer.
Nunca é tarde. Não importa o que você viveu, não importa os erros que você cometeu, não importa as oportunidades que você deixou passar, não importa a sua idade, sempre estamos aptos para dizer BASTA, para ouvir o apelo para uma vida melhor, para sacudirmos a lama e voar ALTO, bem longe do pântano

voar sobre o pântano

Miolo do Pão

Um casal tomava café no dia das suas bodas de ouro.

A mulher passou a manteiga na casca do pão e deu para o seu marido, ficando com o miolo.

Pensou ela:

- Sempre quis comer a melhor parte do pão, mas amo demais meu marido e, por 50 anos,
sempre lhe dei o miolo. “Mas hoje quis satisfazer o meu desejo”.

Para sua imediata surpresa o rosto do marido abriu-se num sorriso sem fim e ele lhe disse:

- Muito obrigado por este presente, meu amor.

Durante 50 anos, sempre quis comer a casca do pão, mas como você sempre gostou tanto dela,
eu jamais ousei pedir!

Assim é a vida... Muitas vezes nosso julgamento sobre a felicidade alheia pode ser responsável
pela nossa infelicidade...

Diálogo, franqueza, com delicadeza sempre, são o melhor remédio.

Miolo do Pão

Entrava nas favelas
a qualquer hora .
falava a palavra nos onibus e nas praças.
na faculdade, aos amigos, na unção no peito e na raça.
não precisava de multidões pregava a um, a ninguem, falava só ou a cem.
via o mundo perdido do meu quintal.
sendo sal, salgava.
sendo luz iluminava
os enfermos , os famintos ajudava.
ninguem que chegasse na minha frente saia sem a palavra.
uma intensidade no que fazia, um sentimento de amor profundo
era jovem , eu podia mudar o MUNDO!

Eliel moura

pregava a palavra