MENU

quarta-feira, 16 de junho de 2010

"O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem."
Por Roberto Shinyashiki
Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.
Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos,
terá que se dedicar a isso, superar o cansaço,
arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.
Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo.
O sucesso é construído à noite!
Durante o dia você faz o que todos fazem.
Mas, para obter resultado diferente da maioria, você tem que ser especial.
Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.
Não se compare à maioria, pois infelizmente ela não é modelo de sucesso.
Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas.
Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão.
Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.
A realização de um sonho depende de dedicação.
Há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica.
Mas toda mágica é ilusão. A ilusão não tira ninguém de onde está.
Ilusão é combustível de perdedores.
"Quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio. Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa".

O sucesso é construído à noite!

Vaidade
 
A vaidade é uma brecha moral que infelicita bastante a humanidade.
 
A luta por posições de realce ocupa muito tempo das criaturas.
 
Mesmo quem não tem vocação para encargos elevados, freqüentemente os procura.
 
E não o faz por espírito de serviço, mas para aparecer.
 
Valoriza-se muito a vitória aparente no mundo, mesmo quando conquistada à custa da própria paz.
 
Mas será que isso compensa?
 
Não valerá mais a pena viver humildemente, mas com dignidade?
 
Ocupar postos de destaque traz grande responsabilidade.
 
Para quem não está preparado, a derrocada moral pode ser grande.
 
Satisfazer a vaidade é um grande perigo.
 
A tentação de evidenciar a própria grandeza pode fazer um homem cair no ridículo.
 
Há pouca coisa mais lamentável do que alguém despreparado desempenhando um grande papel.
 
A ausência de discernimento pode levar a ver virtudes onde elas não existem. A aceitar conselhos de quem não merece confiança. A tomar decisões sob falsas perspectivas.
 
A vaidade manifesta-se sob muitas formas. Está presente na vontade de dizer sempre a última palavra.
 
Por relevante que seja o argumento do outro, o vaidoso não consegue dar-lhe o devido valor.
 
Imagina que, se o fizer, diminuirá seu próprio brilho.
 
O vaidoso tem dificuldade em admitir quando erra, mesmo sendo isso evidente.
 
Ele não consegue perceber a grandeza que existe em admitir um equívoco. Que é mais louvável retificar o próprio caminho do que persistir no erro.
 
A vaidade também dificulta o processo de perdoar.
 
O vaidoso considera muito importante a própria personalidade.
 
Por conta disso, todas as ofensas que lhe são dirigidas são gravíssimas.
 
Já os prejuízos que causa aos outros são sempre pequenos.
 
Afinal, considera o próximo invariavelmente mais insignificante do que ele próprio.
 
A criatura acometida de vaidade dá-se uma importância desmedida. Imagina que os outros gastam horas refletindo sobre seus feitos.
 
Por conta disso, sente-se compelida a parecer cada vez mais evidente.
 
Como todo vício moral, a vaidade impede uma apreciação precisa da realidade.
 
Quem porta esse defeito não percebe que apenas se complica, ao cultivá-o. Que seria muito mais feliz ao viver com simplicidade.
 
Que ninguém se preocupa muito com sua pessoa e com sua pretensa importância.
 
Que, ao tentar brilhar cada vez mais, freqüentemente cai no ridículo e se torna alvo de chacota.
 
Analise seu caráter e reflita se você não possui excesso de vaidade.
 
Você reconhece facilmente seus erros?
 
Elogia as virtudes e os sucessos alheios?
 
Quando se filia a uma causa, o faz por ideal ou para aparecer?
 
Admite quando a razão está com os outros?
 
Caso se reconheça vaidoso, tome cuidado com seus atos.
 
Esforce-se por perceber o seu real papel do mundo.
 
Reflita que a vaidade é um peso a ser carregado ao longo do tempo.
 
Simplifique sua vida, valorize os outros, admita os próprios equívocos.
 
Ao abrir mão da vaidade, seu viver se tornará muito mais leve e prazeroso.

Vaidade

Corra!
 
            No premiado filme Carruagens de Fogo, um dos personagens é o lendário corredor britânico Harold Abrahams. Ele está obcecado pela vitória, mas numa das provas classificatórias dos 100 metros livres para as Olimpíadas de 1924, sofreu uma derrota retumbante para o rival Eric Liddell. A reação de Abrahams é de total desespero. Quando sua namorada Sybil, tenta motivá-lo, irado Harold afirma: "Eu corro para vencer. Se não posso vencer, não correrei!" Sybil lhe responde com sabedoria: "Se não correr, não poderá vencer".
            A vida é cheia de reveses, e nós como cristãos, não estamos imunes às decepções que nos fazem querer desistir. Todavia, na maratona da vida cristã, Paulo nos desafia a continuar correndo. Ele disse aos coríntios: "Não sabeis vós que os que correm ao estágio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis" (1 Coríntios 9:24). Paulo afirma que devemos correr com fidelidade, impulsionados por saber que corremos para honrar nosso Rei e receber dele uma coroa eterna.
            Se falharmos em nossa corrida – se deixarmos de servir a Deus ou cairmos em pecado devido às dificuldades – arriscaremos perder uma recompensa maravilhosa que poderíamos ter ganhado se tivéssemos feito o nosso melhor.
            Sybil estava certa: "Se você não correr, não poderá vencer".
William E. Crowder

Se você não corre não poderá vencer

Faça sua parte.

Aquele que conquista o outro é forte. Aquele que conquista a si mesmo é poderoso".
Lao Tzu

Como você está se sentindo hoje: bem ou mal? Como você está se vendo hoje: como um vencedor ou como um perdedor? Como você se vê daqui a dez anos? O que você está fazendo hoje, está te levando para mais próximo ou mais distante dos seus objetivos? O que você está ingerindo todos os dias está te levando para uma vida longa ou para a morte? Você tem o comando de sua vida ou é escravo dela? Como anda a sua auto-estima? Saiba que a vida é uma dádiva alegre que lhe dará, exatamente, o que você lhe ordenar.

A atitude depende única e exclusivamente de você mesmo.

Se a sua realização pessoal não está indo na direção ou velocidade que você espera, não olhe para isso como se fosse o fim do mundo, pois esse fato representa apenas 15% da sua jornada rumo ao topo. Ao invés de ficar preocupado com isso, você deve olhar para a sua atitude, pois ela sim, será responsável pelo seu sucesso ou fracasso. E o que é mais interessante: a atitude depende única e exclusivamente de você mesmo.
Será que desejamos a pobreza, a doença ou a infelicidade a nós mesmos? Claro que não seria lógico pensar assim, mas pode acreditar que em muitas ocasiões isso acaba acontecendo. Se você externa ações incompatíveis com as suas crenças, você estará carregando um grande fardo no ombro, pois estarão lhe desviando de sua trajetória para o sucesso. E o pior é que esse fardo não irá permitir que você perceba a direção certa e aprecie as coisas boas que a vida tem para lhe oferecer – aquelas que você tem trabalhado duro para conseguir.

O ilícito poderá até lhe dar prazer momentâneo, mas dificilmente lhe proporcionará satisfação duradoura.

Para desenvolver uma atitude mentalmente positiva, você deve possuir objetivos pessoais e profissionais claros, além de livrar-se de sentimento de culpa. Não se esqueça de perseguir os seus objetivos de forma ética, pois só assim, você terá tranqüilidade para desfrutar de suas realizações quando tiver alcançado o topo da montanha. O ilícito poderá até lhe dar prazer momentâneo, mas dificilmente lhe proporcionará satisfação duradoura. E, finalmente, lembre-se de que precisará tornar-se o seu melhor amigo, respeitando e gostando de você mesmo, pois só assim, estará pronto para respeitar e gostar dos seus semelhantes.

Evaldo Costa (Professor, Consultor, Escritor e Conferencista.)

atitudes que levam ao sucesso

A Igreja Universal abriu em seu templo da Vila Mariana, na zona sul de São Paulo, um drive-thru de oração e oferta.

Esse tipo de atendimento rápido a pessoas dentro do carro foi popularizado no Brasil nos anos 80 pela McDonald's. Depois, também com êxito, o sistema foi adotado pelos bancos, como o Bradesco e o Itaú.

O templo da Vila Mariana fica em uma rua de congestionamentos, principalmente entre às 18h e 20h.

O propósito do pastor Osvaldo Volpini, o responsável pelo lugar, é atrair quem esteja parado no trânsito e necessite de um apoio espiritual de emergência.

Tão rápido quanto uma loja de fast food, um pastor do drive-thru entrega ao motorista um folheto com os horários dos cultos, faz uma oração e um pedido de oferta à igreja. Coisa de cinco minutos.

Volpini disse que esse sistema já existe na Universal de Houston, Texas (EUA). O bispo Renato Cardoso, o responsável pelo templo de lá, aproveitou a ideia das igrejas que em 2006 começaram a dar atendimento nas mais movimentadas rodovias norte-americanas.

O site Arca Universal, da igreja, informou que, nestas primeiras semanas de funcionamento, o drive-thru tem atraído inclusive motoqueiros e pedestres, que não são afetados pelo congestionamento do trânsito.

Relatou um caso da eficiência do serviço: depois de ter passado no drive-thru, uma costureira, que estava desesperada por causa de dificuldades financeiras, recebeu o pagamento de todos os seus devedores.

O drive-thru da Universal promete ser o fast food dos milagres.


Igreja Universal drive-thru oração e oferta



Cala a boca galvão

A Expressão "cala a boca galvão" foi twitado e retwitado por milhões de brasileiros na abertura da copa do mundo.

havia até uma faixa com "cala a boca galvão" no jogo brasil e coreia do norte mas foi rapidamente retirada.

Gente,tudo bem que o Galvão fala demais e às vezes erra algumas coisas, mas ele é um bom locutor.
Nenhum narrador narra um jogo do Brasil com tanta emoção como o Galvão Bueno, e ficaria chato um jogo
narrado sem emoção alguma. quando airton senna era vivo o brasil inteiro VIBRAVA COM O GALVAO.

ele realmente coloca o coração em cada jogo. a expressão "haja coração" e "vai que é tua tafarel"  ficou
gravada em nossas memórias.

não tirando a razão de quem deu ênfase a esta proposta de calar a boca do galvão nesta copa. mas acredito que
o pais precisa de muitos "cala a boca", e milhões ficam calados.  temos que calar a boca dos mentirosos em época de eleição, das pessoas que falam mal dos outros, de apresentadores de programas em várias emissoras de nosso pais, de
pessoas que falam palavras obscenas em programas humoristicos, e de cidadãos comuns que abrem a boca
para falar palavras desagradáveis com o próximo. se não podemos calar a boca. pelo menos possamos "tapar os ouvidos"

Desejamos ao Galvão um excelente trabalho na Copa do Mundo. e HAJA CORAÇÃO.

Cala a boca galvao

O Cisco
 
            Era apenas um cisco, um pequeno corpo estranho que flutuava pelo ar num dia de muito vento enquanto eu cortava a grama. De algum modo este cisco entrou em meu olho esquerdo.
            Nas horas seguintes aquele pequeno corpo estranho causou uma irritação considerável. Tentei retirá-lo lavando os olhos. Minha esposa, que é enfermeira, tentou de tudo. Finalmente, fomos ao hospital, onde a equipe médica de plantão também não conseguiu removê-lo. Somente após aplicar uma pomada e esperar muitas horas de desconforto, consegui me livrar do cisco.
            O cisco, pequeno e irritante, me trouxe uma nova percepção do ensino de Jesus em Mateus 7 sobre criticar os outros. Meu primeiro pensamento foi sobre a praticidade dessa ilustração. Usando a figura literária da hipérbole – que engrandece a verdade com eficiência, Jesus explicou aos Seus ouvintes como é tolice criar alguém sem perceber a própria culpa pelos seus erros. Se você conseguir encontrar o pequeno cisco no olho de outra pessoa enquanto ignora a trave no seu próprio, algo está errado. Deveria ser impossível ignorarmos nossas próprias falhas, enquanto apontamos as dos outros.
            É óbvio que na vida cristã não deve existir a atitude de superioridade.
 
Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? (Lucas 6:41)
 
Analise a sua vida antes de procurar por insignificâncias na vida dos outros.
J. David Branon
 

O Cisco